A cultura africana e afro-brasileira em foco no mês da consciência negra

O mês de novembro tem se tornado referência para as discussões e as formações de profissionais da educação no que tange a história e cultura africana e afro-brasileira. Então, a convite de profissionais da educação, a professora Dra. Mírian Cristina de Moura, docente do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Humano-MDH, esteve na EMEF Profa. Luzia de Castro Mittidieri, de Guaratinguetá-SP e na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, campus Três Lagoas, para contribuir com esse rico debate. Na EMEF Profa. Luzia de Castro Mittidieri a professora foi acompanhada de sua orientanda Larissa Oliveira Casemiro da Rocha, mestranda do MDH.

A docente do Mestrado em Desenvolvimento Humano é especialista em História afro-brasileira e africana, e tem defendido a necessidade de ampliação do diálogo entre o conhecimento produzido nas universidades a respeito do tema e o ensino escolar. Assim, reiterando a obrigatoriedade definida pela Lei 10.538 de 2003, que alterou a Lei de Diretrizes de Bases Nacionais e definiu a introdução de afro-brasileiros e africanos no currículo escolar, bem como o 20 de novembro como data da Consciência Negra a ser discutida em âmbito escolar e com a sociedade.

No âmbito do MDH Profa. Mirian Garrido coordena o Projeto IdentidadeS: passado e presente, ao qual a pesquisa de Larissa Rocha está vinculada. Esse é um projeto em parceria com o Ministério Público do Estado de São Paulo, por intermédio do Promotor José Carlos de Oliveira Sampaio, que busca desenvolver estudos sobre a História das populações africanas no Brasil escravizadas, de seus descendentes e das populações indígenas, em âmbito nacional e regional (Região Metropolitana do Vale do Paraíba); e tornar estes estudos produtos acessíveis à sociedade, via produção de curtas-metragens, podcast, exposições, roteiros de visitação, materiais didáticos, livros e artigos científicos, cursos e palestras para docentes e para a comunidade em geral, e outros produtos que se percebam viáveis no processo de pesquisa e no contato com as comunidades locais

Notícias

Anterior
Próximo

Tenho Interesse






    Pular para o conteúdo